Escola Francisco de Assis e Instituto Reconfortar

Um presente para Belém de Claudio Guilhon e da construtora Porte Engenharia com projeto da LIVRE.

Como forma de orientar visualmente o público da existência de duas funções no espaço, optou-se por acabamentos distintos nas diferentes setorizações do edifício.

 

Contrastantemente, o Instituto fará usos de cores neutras e texturas lisas, enquanto a Escola usará cores fortes e texturas rugosas em um jogo de antonímias que se reproduz desde a fachada até os elementos internos, conduzindo o visitante por uma pluralidade de sensações e, ao mesmo tempo, orientando subconscientemente sobre a setorização da edificação.

O Instituto Reconfortar, terá linguagem brutalista, acabamentos em concreto aparente e tons neutros, mobiliários extremamente simples e sem ornamentos, em resumo, uma arquitetura espartana e minimalista, o que dialoga com o conteúdo das atividades do instituto. Uma organização, que não pretende ser uma vitrine, mas sim um espaço de promoção da caridade e acolhimento social, de preocupação altruísta e com muita simplicidade, como ensina a filosofia de São Francisco de Assis, religioso que é inspiração do referido instituto e, por esse motivo, denominará a escola que lhe é anexa.

A Escola Municipal Francisco de Assis utilizará a dualidade de cores como princípio estético. Foi escolhido o azul e o rosa quartz como cores principais deste setor, por uma série de motivos. Primeiramente, essas cores remetem às cores que nossas mães nos vestiam durante a infância. O rosa e azul são cores harmônicas, resultando em uma surpresa agradável ao olhar ao se adentrar a edificação, sucedido de uma grande calmaria trazida pelo jardim contemplativo e o rosa das paredes internas. Uma vez que estudos indicam que o rosa promove efeitos calmantes e remissões a sentimentos como afeto, independência, criatividade, harmonia e amor. O que são extremamente desejáveis no sistema escolar.

O paisagismo interior contém árvores de médio porte arbustos e vegetação rasteira de diferentes texturas e espécies. Privilegiando-se, sempre que possível, espécimes vegetais que exalam fragrâncias e de vasta floração e evitando, na medida do possível, espécimes exógenas, como forma de privilegiar o uso de elementos da Flora Amazônica e a criação de um jardim sensorial contemplativo. A árvore da fachada deverá ser uma jabuticabeira como elemento simbólico da brasilidade e por, poeticamente, simbolizar os muitos ramos sociais do instituto. Os frutos da jabuticabeira nascem no tronco da árvore, assim como os frutos sociais do instituto são elementos troncais das atividades do instituto.

O Instituto Reconfortar e a Escola Francisco de Assis são um presente para a sociedade, um ato de gentileza social que terá o condão de mudar e contribuir fortemente para bem estar da população do entorno. Levando serviços básicos de acolhimento à uma área da cidade extremamente carente da atenção da sociedade civil organizada.

Mais

a R Q U I T e T U R a  S I G N   C O N C I T O

© 2018    LIVRE ARQUITETURA